Frequently Asked Questions. (FAQ)

Quais os principais meios que as empresas que adotam o teletrabalho têm para garantir a produtividade? Nesse sentido, os resultados têm sido satisfatórios?

Um dos mais importantes impactos do advento do teletrabalho nas organizações foi justamente o fato de que a quebra das barreiras espaço-temporais para a realização das atividades empresariais, quebraram com o paradigma secularmente aceito e praticado da supervisão e gerenciamento visual do trabalhador e o controle do tempo de atividade. Ou seja, tradicionalmente se praticava a orientação e supervisão das atividades a partir da observação visual do trabalhador, das suas atividades, das suas pausas no trabalho, e da sua produtividade e do controle das horas trabalhadas. Com o teletrabalho, isto vem se modificando e percebeu-se que a primeira mudança em termos de modelo mental seria passar de uma visão de compra de tempo do trabalhador para um visão de compra de resultado. Assim, já que os controles anteriores não são mais possíveis de atender a esta nova realidade, entendeu-se, ainda que com um grande nível de insegurança, discussão e polêmica, que o foco no resultado garantiria a produtividade. Assim, adotou-se como modelo de gestão viável, a gestão participativa e a administração por objetivos ou por resultados. E nesse sentido, tem-se tanto exemplos e relatos de sucesso, quanto de fracasso. Mas em qualquer que seja o resultado já se tem avaliado que o sucesso e o fracasso estão relacionados com as condutas e o perfil de competências dos telegerentes, mais do que a inadequação ou não do modelo de gestão adotado.

 

Ainda existe preconceito ou resistência - tanto de empregados quanto de empregadores - a essa forma de relação de trabalho?

Ainda existe muito preconceito ou resistência, tanto de teletrabalhadores quanto de empregadores. Por parte dos empregadores, primeiro porque ainda há uma desconfiança com relação a "se os trabalhadores realmente estão trabalhando quando a supervisão não está focada no controle visual e no controle da jornada de trabalho". Uma coisa aparentemente tão simples pode encontrar resistências psicológicas bem firmes, pois essa perda de controle implica numa sensação de perda de poder e sabemos que o poder é uma tônica importantíssima nas organizações. Menor controle, significa menor poder do empregador e maior autonomia do trabalhador. Imagine como fica a cabeça de um gestor tradicional ao imaginar que não controlará mais o tempo de trabalho e nem a forma como este será executado, e que terá que "confiar mais no trabalhador" e terá apenas como garantia os resultados de produtividade previamente fixados, tanto em termos de quantidade, quanto de qualidade. E do ponto de vista do trabalhador, a resistência reside nas mudanças de sinais de "status funcional", pois na empresa, a personalização e a dimensão do espaço que um trabalhador ocupa, o uso de equipamentos e materiais dão sinais do maior ou menor prestígio que um trabalhador possui na organização. Além do mais, deixar de ir à empresa, impacta o sentimento de pertença à um grupo de referência, sentimento este muito importante para a segurança, a auto-estima, e a sensação de realizar um trabalho útil e importante. Num plano mais concreto, há o questionamento sobre as proteções legais do trabalhador e a desconfiança de que o teletrabalho implica em menor remuneração. Isto é apenas uma pequena ponta do Iceberg, mas que já dá para antever que ainda há uma relação de desconfiança mútua entre trabalhador e empregador no que se refere ao teletrabalho, parecendo resgatar a discussão do eterno conflito capital X trabalho.

 

Como o empregado que trabalha em casa deve agir para separar o espaço e a vida profissionais do lado pessoal? É um problema recorrente?

No campo do teletrabalho, como se pode ver, tudo ainda é muito discutível e sujeito à reformulações. É um problema recorrente, a indiferenciação entre vida familiar e vida profissional. Há relatos de extremos em que o trabalhador não consegue fazer esta separação e permite que o conjugê e os filhos frequentem o espaço de trabalho, no horário em que se programou para trabalhar, e ainda que permitem interferências familiares na atividade e que isto atrapalha a produtividade e a qualidade do trabalho.Por outro lado, há também relatos de trabalhador que tão preocupado com a questão de manter a separação entre vida familiar e trabalho, praticamente "expulsa" conjugês e filhos, de casa. As recomendações mais comuns é que se estabeleçam limites, separando bem os espaços e determinando-se tanto quanto possível a trabalhar em horários em que os filhos estão na escola, ou que se isto não for possível, se possa negociar com a família, a manutenção do silêncio e da tranquilidade no espaço de trabalho e a não-interferência nas atividades. Tem-se que isto se define a partir do perfil mais ou menos adequado de um indivíduo para o teletrabalho: organização, iniciativa, auto-motivação, autocontrole, consciência profissional entre outros.

 

Quais as principais dificuldades para aqueles que são adeptos do teletrabalho? E as vantagens?

Como em todo novo contexto, também o teletrabalho apresenta desvantagens e vantagens, e a maior ou menor otimização destas recai sobre as condutas adotadas tanto por parte das empresas como por parte do teletrabalhores. Em relação as dificuldades, fora as já apontadas nas questões anteriores, pode-se ainda destacar o sentimento de isolamento, a tendência ao complexo de adiamento ou de desenvolver a compulsão pelo trabalho (workaholic) não conseguindo mais manter atividades de lazer e de relacionamento social, e a insegurança com relação a sua empregabilidade. Quanto as vantagens, podemos salientar os ganhos sociais e pessoais em termos de economia tanto para empresas como para teletrabalhadores, pois ambos eliminarão alguns gastos relacionados ao trabalho presencial, tais como: redução dos custos fixos das empresas que poderão ter estruturas físicas mais enxutas e reduzidas as suas operações presenciais mínimas, diminuição dos custos de energia elétrica, água, mobiliário e materiais de escritório, eliminação do tempo gasto pelo trabalhador para se locomover até ao local de trabalho, economia de gastos com transportes, diminuição do stress causado pelo trânsito das grandes cidades, maior autonomia e liberdade para definir métodos de trabalho e horários para executar suas atividades e muitas outras.

 

Qual a situação do teletrabalho no Brasil hoje, se comparada com outros países? Onde há maior aceitação? Há números a respeito?

O teletrabalho no Brasil parece vir crescendo gradativamente. Lógico que esbarra nos entraves econômicos e sociais do país, e avança no ritmo em que esses entraves vão sendo superados. O teletrabalho se inicia no Brasil a partir da adoção de empresas multinacionais que começam a adotar aqui práticas já adotadas em suas matrizes. Assim, no Brasil, o teletrabalho está inicialmente vinculado a empresas de capital internacional. Em seguida, começa a ser adotado por empresas nacionais de grande porte. Hoje já se tem notícias de alumas iniciativas em empresas de médio e pequeno porte, e mais ainda, percebe-se o crescimento de atividades autônomas de teletrabalho, como um sinônimo de empreendedorismo e de busca de alternativas ao crescente desemprego que assola o País. Paulatinamento o teletrabalho vem tendo aceitão em diversos lugares do mundo, mas percebe-se que o padrão de aceitação está muito relacionado com o nível de desenvolvimento de uma nação, ou seja, os países em que o teletrabalho mais rapidamente avança são aqueles que tem maior desenvolvimento tecnológico, econômico e social. Um dos destaque é a França, que tem uma boa proporção de teletrabalhadores em relação a sua população economicamente ativa e que inclusive está adiantada em no que trata de legislação e proteção trabalhista.

 

Com a chegada da internet, um dia se previu a extinção quase total dos escritórios. Em sua opinião, qual a tendência das relações de trabalho para o futuro?

Acredito que a tendência das relações de trabalho para o futuro se encaminham para o avanço e o desenvolvimento do teletrabalho em suas mais variadas modalidades, e que outras ainda inimagináveis surgirão. Do ponto de vista empresarial há a propensão da flexibilização das relações e vínculos entre trabalhadores e empresas minimizando-se muito as proteções legais dos trabalhadores. Penso que estes consituirão o que se pode chamar de "empresas individualizadas" e atuarão em projetos com prazos determinados, fazendo avançar ainda mais as práticas de empreendedorismo e farão avançar a idéia de "empregabilidade", substituindo a noção de emprego que temos hoje. Não aposto na extinção total dos escritórios, mas vejo-os cada vez mais reduzidos em termos de espaço físico e de quantidade de processos ali realizados. Há que se lembrar que nem tudo pode ser realizado a distância, pois há itens úteis socialmente e que não se circunscrevem no âmbito do conhecimento e da informação, mas que se encerram no âmbito da manufatura e da transformação material e física. Por fim, há que se pensar que o teletrabalho não surge para substituir todas as outras formas de atividade laboral, mas sim, para atender as necessidades que se impõe hoje no mundo de maior econômia e racionalidade na utilização dos recursos que hoje se tornam concretamente esgotáveis. E por enquanto, conhecimento não parece um recurso esgotável.

end faq